Pesquisar este blog

sábado, 19 de junho de 2021

Olga Nobre



Nome real: Olga Nobre Alacid

Créditos: Olga Nobre

Atividades: Atriz, radioatriz, cantora, diretora, autora, novelista, radialista, locutora, dubladora, apresentadora e narradora

Áreas: Cinema, teatro, TV e rádio

Nascimento: 29/10/1916, Manaus/AM

Óbito: 16/09/1978, Rio de Janeiro/RJ

Causa óbito: Falência múltipla dos órgãos e parada cardiorrespiratória em decorrência da diabetes

Relacionamentos: Foi casada com Sr. Parasoli (1932/194?), um filho: o ator e dublador Oscar Alacid Parasoli

Nota: Afastou-se da mídia. Neta do diretor Francisco Santos e da atriz Adelina Nobre. Filha do cantor Isidoro Alacid e da atriz Sara Nobre. Destacou-se como astro infantil, e cantora lírica soprano. Irmã do novelista Nélson Nobre Alacid. Sofria de diabetes, chegando a perder a visão. Nome da casada: Olga Alacid Parasoli.

Carreira: 1929-1970

Alguns trabalhos*:

1937/1938 - Rádio Nacional: Programa Teatro em Casa (Rádio)
1939 - Futebol em Família (Cinema) - Catarina
1946 - Rádio Nacional do Rio de Janeiro: Radionovela A Lua Nasce em Frente à Minha Janela (Rádio)
1946 - Rádio Nacional do Rio de Janeiro: Radionovela Miguel Strogoff (Rádio) - Nadya
1947 - Rádio Nacional do Rio do Janeiro: Radionovela Tempestade (Rádio)
1948 - Rádio Nacional do Rio de Janeiro: Radionovela Não Deixe Este Sonho Acabar! (Rádio)
1948 - Rádio Nacional do Rio de Janeiro: Radionovela O Céu Fica Tão Perto! (Rádio) - Felícia
1948 - Rádio Nacional do Rio de Janeiro: Radionovela Uma Vida (Rádio) - Valentina
1951 - Rádio Nacional: Radionovela Covardia (Rádio) - Isabel
1951 - Rádio Nacional: Radionovela Essa Estranha Mulher (Rádio) - Noemia
1951/1952 - Rádio Nacional: Radionovela O Direito de Nascer (Rádio) - Maria Teresa
1953 - Rádio Nacional: Radionovela O Preço da Liberdade (Rádio)
1952 - Rádio Nacional do Rio de Janeiro: Radionovela Caminhos Tortuosos (Rádio)
1952 - Rádio Nacional do Rio de Janeiro: Radionovela O Fruto do Pecado (Rádio) - Margarida
1952 - Rádio Nacional: Série O Direito de Matar (Rádio)
1953 - Rádio Nacional: Série Radar, Filho do Sombra (Rádio)
1954 - Rádio Nacional: Radionovela Conflitos de Paixões (Rádio) - Ana
1954/1955 - Rádio Nacional: Radionovela Também Há Lírios no Lodo (Rádio) - Patrícia
1955 - Rádio Nacional: Radionovela A Ponte dos Suspiros (Rádio) - Leonor
1955 - Rádio Nacional: Radionovela Herança de Ódio (Rádio) - Autoria
1955 - Rádio Nacional: Radionovela Serra Brava (Rádio) - Maria Júlia
1956 - Rádio Nacional: Radionovela Um Dia na Vida (Rádio) - Carolina
1957 - Rádio Nacional: Radionovela Uma Esperança pelo Amor de Deus (Rádio) - Márcia
1957 - Rádio Nacional: Radionovela Vinte Anos de Solidão (Rádio) - Mercedes
1957 - Rádio Nacional: Série As Aventuras de Jerônimo ‘O Preço de uma Vida’ (Rádio) - Eulália
1957 - Rádio Nacional: Série O Drama de Cada Um ‘Venceremos Amanhã’ (Rádio)
1958 - Rádio Nacional: Radionovela Aqueles Olhos Negros (Rádio)
1958 - Rádio Nacional: Radioteatro A Vida de Nosso Senhor Jesus Cristo (Rádio) - Samaritana
1959 - Rádio Nacional: Radionovela Estranhos Destinos (Rádio) - Autoria
1961 - 101 Dálmatas 'animação' (Cinema) - Naná (voz) / Dubladora

(*) Pesquisa em andamento

6 comentários:

Unknown disse...

Oi, bom dia. Sou filha do Oscar, neta da Olga. A causa da Morte não é desconhecida. Ela tinha diabetes, ficou cega, os órgãos foram parando aos poucos e sofreu uma parada cardio respiratória. Ela também era Soprano.

Anônimo disse...

Oi, bom dia. Sou a filha mais velha do Oscar, neta da Olga. Ela era cantora lirica do teatro Nacional do Rio de Janeiro.

Unknown disse...

Gostaria muito de conseguir contato com as filhas do Oscar Alacid Parasoli... Sou Bruno Albuquerque Nobre Alacid, filho de Nélio Viegas Nobre Alacid, neto de Nelson Nobre Alacid e bisneto de Sara Nobre. Segue meu e-mail: bruno.alacid@gmail.com

Anônimo disse...

Ela dublou Cruela na animação 101 Dálmatas da Disney, em 61.

MARIO GORDILHO disse...

Fontes:

http://memoria.bn.br/pdf/103730/per103730_1945_00190.pdf

Anônimo disse...

Na verdade ela não dublou a Cruella! Ela é a voz da Naná, a Cruella foi feita pela atriz Margarida Rey