Pesquisar este blog

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Maria Vidal



Nome real: Maria Cândida dos Santos Vidal

Atividades: Atriz, radioatriz, radialista, locutora e apresentadora

Áreas: TV, cinema, rádio e teatro

Nascimento: 14/11/1905, Rio de Janeiro/RJ

Óbito: 14/05/1963, São Paulo/SP

Causa óbito: Suicídio (envenenamento)

Nota: Destacou-se como humorista. Irmã da atriz Júlia Vidal. Ex-militante do PCB. Estava internada desde o dia 12/04/1963, no Hospital das Clínicas, em São Paulo/SP, após ingestão de soda cáustica, numa tentativa frustrada de suicídio, devido a situação de desespero pela qual passava por ter recebido uma ação de despejo da sua residência da qual era locatária.

Carreira: 1923-1963

Alguns trabalhos:

1923 - Primeira Valsa (Teatro)
1924 - À Hora do Beijo (Teatro)
1924 - Aventuras de um Rapaz Feio (Teatro)
1924 - Cocktail (Teatro)
1924 - Coitadinhas das Mulheres! (Teatro)
1924 - Como Te Quero! Como Te Adoro! (Teatro)
1924 - Dick (Teatro)
1924 - Eu Arranjo Tudo (Teatro)
1924 - Meu Bebé (Teatro)
1924 - Meu Maridinho (Teatro)
1924 - Minha Prima Está Louca (Teatro)
1924 - O Fiscal dos Wagons Leitos (Teatro)
1924 - O Homem de Cimento Armando (Teatro)
1924 - O Homem Que Morreu (Teatro)
1924 - O Papa-Léguas (Teatro)
1924 - O Papão (Teatro)
1924 - O Parente Político (Teatro)
1924 - O Rato Azul (Teatro)
1924 - O Sobrinho do Homem (Teatro)
1924 - O Sr. Director (Teatro)
1924 - O Sub-Prefeito de Chateau Brizard (Teatro)
1924 - O Talento de Minha Mulher (Teatro)
1924 - O Tio Solteiro (Teatro) - Suzana
1924 - Rabo de Saia (Teatro)
1924 - Surpresas do Divórcio (Teatro)
1924 - Tiro Pela Culatra (Teatro)
1926 - O Arame da Sogra (Teatro) - Olympia
1927 - Comidas, Meu Santo! (Teatro)
1927 - Mulheres Nervosas (Teatro) - Ephygenia
1930 - Meu Brasil (Teatro)
1933 - A Boateira (Teatro)
1940 - Eu, Tu e Ele! (Teatro)
1940 - Feia (Teatro)
1940 - Fim de Festa (Teatro) - Ivone
1940 - Levadinha da Breca (Teatro)
1940 - O Carneiro do Batalhão (Teatro)
1940 - O Maluco No. 4 (Teatro)
1940 - Querida! (Teatro)
1956 - A Pensão da D. Estela (Cinema) - Dona Estela
1955 - Rádio Tupi São Paulo: Programa Encontro das Cinco e Meia (Rádio)
1958 - O Camelô da Rua Larga (Cinema)

2 comentários:

Unknown disse...

Seu suicídio também teve como motivo a prefeitura ter recolhido e sacrificado 40 animais que ela abrigava em sua casa,devido a reclamações dos vizinhos.Depois que morreu, sua irmã Júlia, que morava com ela, foi despejada e se tornou indigente,vivendo nas ruas.

Anônimo disse...

Quando ela faleceu, artistas com quem ela trabalhava, reuniram-se para conseguir pagar um jazigo para ela. Uma associação de proteção aos animais encomendou uma estátua que seria para ser instalada em seu jazigo. Com a pressa para providenciar seu túmulo a estátua acabou sendo colocada no Parque do Ibirapuera, sem nenhuma menção à atriz, e sua trágica morte.
A rua em que morava passou a se chamar Rua Maria Vidal.
Triste história para uma ótima atriz que fazia as pessoas se divertirem.

Segue o link:
https://www.memoriascinematograficas.com.br/2019/08/maria-vidal-atriz-que-morreu-por-amor.html

Nesse mesmo artigo nos deparamos com a história de sua irmã, a também atriz Julia Vidal, e com a crueldade do bullying por ela sofrido.