Pesquisar este blog

sexta-feira, 3 de julho de 2020

Nina Sanzi



Nome real: Affonsina Juni Capelli

Créditos: Nina Sanzi

Atividades: Atriz, produtora, diretora, crítica teatral e garota-propaganda

Áreas: Teatro

Nascimento: 01/05/1875, Carmo do Rio Verde (depois Silvestre Ferraz, atual Carmo de Minas)/MG

Óbito: 12/07/1926, Rio de Janeiro/RJ

Causa óbito: Suicídio (asfixia por afogamento)

Relacionamentos: Teve um caso com o Secretário de Finanças de Minas Gerais Juscelino Barbosa (1909-1914).

Nota: Afastou-se da mídia. Formada em Teatro. Neta do italiano Miguel Archanjo Camarano. Filha dos italianos Caetano Maria Junho e Amelia Capelli Camarano. Irmã de Dionísio Juni Capelli e de Julio Juni Capelli. Entre 1902 e 1918, trabalhou no teatro Europeu, com alternadas incursões pelo Teatro do Brasil. Começou estudando canto lírico na Itália, em 1902. Foi a primeira atriz nascida no Brasil de pais italianos que ganhou notoriedade nacional. Seu prestígio no Brasil foi em virtude do sucesso obtido na Europa, onde atuou na "Companhia Eleonora Duse" (1902-1906); na "Companhia Dramática Francesa" (1907-1908), e na "Grande Companhia Dramática Italiana" (1908-1909). Também atuou como empresária teatral na "Companhia Nina Sanzi" (1910-1912). Em 1918, retornou em definitivo ao Brasil. Em 1923, iniciou um grande projeto de construção do primeiro "Teatro de Comédia Brasileiro", no qual investiu sua própria fortuna, além de conseguir um terreno doado pela Prefeitura do Rio de Janeiro. Em 1925, apesar das conquistas iniciais, os recursos obtidos não foram suficientes para a concretização da obra, inclusive com o veto do Senado Federal à continuação das verbas orçamentárias destinadas à edificação do teatro. Em 1926, possivelmente, devido à frustração pelo fim do projeto teatral, aliada à sua saúde debilitada, a atriz cometeu suicídio, lançando-se fatalmente ao mar violento, de uma pedra situada na orla da Av. Niemeyer "Estrada da Gávea", no Rio de Janeiro/RJ. Três dias depois do incidente, seu corpo foi encontrado por pescadores na praia da Barra da Tijuca. Ironicamente, anos antes, seu pai havia falecido também vítima de afogamento, acidentalmente, durante uma enchente em Minas Gerais. Algumas fontes citam erroneamente que a atriz nasceu em Três Corações do Rio Verde/MG.

Carreira: 1902-1917 (70 obras)

1902/1906 - Espetáculos da Companhia Eleonora Duse (Teatro) - (Itália)
1906 - L’Aveugle (Teatro) - Callista (Bélgica)
1906 - L’Étrangère (Teatro) - Mistress Clarkson (Bélgica)
1906 - La Dame aux Camélias (Teatro) - (Bélgica)
1907/1908 - La Femme de Claude (Teatro) - Femme de Claude (França)
1907/1908 - L'Ane de Buridan (Teatro) - Micheline (França)
1907/1908 - Le Roi (Teatro) - Marthe Bourdier (França)
1907/1908 - Les Revenamés (Teatro) - (França)
1907/1908 - Magdá (Teatro) - Magdá (França)
1907/1908 - Maître de Forges (Teatro) - (França)
1907/1908 - Pelléas e Mélisande Teatro) - Pelléas (França)
1907/1908 - Samson (Teatro) - (França)
1907/1908 - Therese Requin (Teatro) - Therese Requin (França)
1908 - L'Après-Midi Byzantine (Teatro) - (França)
1908/1909 - Cavallaria Rusticana (Teatro) - Santuza, la Siciliana (Itália)
1908/1909 - Gli Spettri (Teatro) - (Itália)
1908/1909 - L’Incontro (Teatro) - (Itália)
1908/1909 - La Cena delle Beffe (Teatro) - Ginève (Itália)
1908/1909 - La Corsa al Piacere (Teatro) - (Itália)
1908/1909 - La Femme de Claude / Moglie de Claudio (Teatro) - Moglie de Claudio (Itália)
1908/1909 - L'Âge D'Aimer / L’Etá dell’Amore (Teatro) - (Itália)
1908/1909 - Tosca (Teatro) - Flora Tosca (Itália)
1909 - A Corrida ao Prazer / La Corsa al Piacere (Teatro) - (Brasil)
1909 - A Idade do Amor / L’Etá dell’Amore / L'Âge D'Aimer (Teatro) - (Brasil)
1909 - A Mulher de Claude / La Femme de Claude / Moglie de Claudio (Teatro) - Mulher de Claude (Brasil)
1909 - Casa Paterna / Magdá (Teatro) - Magdá (Brasil)
1909 - Cavallaria Rusticana (Teatro) - Santuza, a Siciliana (Brasil)
1909 - Ceia da Zombaria / La Cena delle Beffe (Teatro) - Ginevra (Brasil)
1909 - Les Revenamés (Teatro) - (Brasil)
1909 - O Encontro / L’Incontro (Teatro) - (Brasil)
1909 - O Escândalo (Teatro) - (Brasil)
1909 - O Mestre de Forjas / Maître de Forges (Teatro) - (Brasil)
1909 - O Rei / Le Roi (Teatro) - Marthe Bourdier (Brasil)
1909 - Os Espectros / Gli Spettri (Teatro) - (Brasil)
1909 - Pelléas e Mélisande (Teatro) - Pelléas (Brasil)
1909 - Sansão / Samson (Teatro) - (Brasil)
1909 - Therese Requin (Teatro) - Therese Requin (Brasil)
1909 - Tosca (Teatro) - Flora Tosca (Brasil)
1909/1910 - O Burro de Buridan / L'Ane de Buridan (Teatro) - Miquelina (Brasil)
1910 - L’Aiglon (Teatro) - Franz, Duc Reichstadt (França)
1910 - La Dame aux Camélias (Teatro) - Marguerite Gautier (França)
1910 - La Femme de Claude (Teatro) - Femme de Claude (França)
1910 - Magdá (Teatro) - Magdá (França)
1910/1911 - Chantecler (Teatro) - La Faizane / Coq (França)
1910/1911 - L’Aveugle (Teatro) - Callista (França)
1910/1911 - La Dame de Chez Maxim (Teatro) - Dame de Chez Maxim (França)
1910/1911 - La Rampre (Teatro) - (França)
1910/1911 - Vierge Folle (Teatro) - (França)
1911 - A Dama das Camélias / La Dame aux Camélias (Teatro) - Margarida Gautier, além da Produção (Brasil)
1911 - A Dama do Maxim / La Dame de Chez Maxim (Teatro) - Dama do Maxim, além da Produção (Brasil)
1911 - A Mulher de Claude / La Femme de Claude / Moglie de Claudio (Teatro) - Mulher de Claude (Brasil)
1911 - Casa Paterna / Magda (Teatro) - Magda, além da Produção (Brasil)
1911 - Chantecler (Teatro) - Faisã, além da Produção (Brasil)
1911 - La Rampre (Teatro) - Atuação e Produção (Brasil)
1911 - O Aiglon / L’Aiglon (Teatro) - Franz, Duque de Reichstadt, além da Produção (Brasil)
1911 - O Cego / L’Aveugle (Teatro) - Calixta, além da Produção (Brasil)
1911 - Verdes Folhas / Vierge Folle (Teatro) - Atuação e Produção (Brasil)
1911/1912 - Chantecler (Teatro) - La Faizane, além da Produção (Itália)
1911/1912 - Le Voleur (Teatro) - Marie Luise Voysin (França)
1912 - A Dama das Camélias / La Dame aux Camélias (Teatro) - Margarida Gautier, além da Produção (Brasil)
1912 - Casa Paterna / Magdá (Teatro) Magdá, além da Produção (Brasil)
1912 - Cavallaria Rusticana (Teatro) - Santuza, a Siciliana, além da Produção (Brasil)
1912 - Chantecler (Teatro) - Faisã, além da Produção (Brasil)
1912 - O Aiglon / L’Aiglon (Teatro) - Franz, Duque de Reichstadt, além da Produção (Brasil)
1912 - O Ladrão / Le Voleur (Teatro) - Maria Luiza Voysin, além da Produção
1915/1916 - La Gioconda (Teatro) - Silvia Settala (França)
1916 - L'Âge D'Aimer (Teatro) - (França)
1916 - Odette (Teatro) - Odette (França)
1917 - Festival Artístico para A Cruz Vermelha Brasileira: La Gioconda / L’Aiglon (Teatro) - Silvia Settala / Franz, Duque de Reichstadt, além da Direção
1917 - La Flambée (Teatro) - (França)

2 comentários:

Anônimo disse...

Oi Mário,

Seguem aí algumas informações sobre a Nina, realmente o período da Belle Epoque nas artes cênicas do Brasil tem sido pouco explorado. Nina seria minha prima, ainda que haja alguns embaraços no novelo familiar a serem desenrolados para eu entender melhor; pode ser que ela seja minha tia e não minha prima. Mas isso tem pouca importância; o que interessa é que ela foi a primeira atriz nascida no Brasil de pais italianos que ganhou reconhecimento das elites e chegou a inaugurar o Municipal de BH, porque atuou nas companhias de Eleonora Duse e Gabrielle Réjane em período que viveu na Europa, voltando aclamada ao Brasil como estrela reconhecida lá fora. Aquela velha mentalidade colonizada das elites locais que só reconhecem o que faz sucesso lá fora. Mas ela se fixou no Rio e tentou construir o primeiro Teatro de Comédia Brasileiro, nos anos 1920, mas acabou suicidando (se lançando dramaticamente ao mar de algum ponto da Av. Niemayer) após ter um longo processo de luta para conseguir apoio financeiro do governo para erguer o dito teatro. Seguem aí algumas reportagens sobre ela.

MARIO GORDILHO disse...

Fontes:

http://memoria.bn.br/DocReader/390062/3602
http://memoria.bn.br/DocReader/338060/8009
http://memoria.bn.br/DocReader/342246/3242
http://memoria.bn.br/DocReader/705934/4132
http://memoria.bn.br/DocReader/830305/2206
http://memoria.bn.br/DocReader/705110/97655
http://memoria.bn.br/DocReader/800643/40506
http://memoria.bn.br/DocReader/800643/40488
http://memoria.bn.br/DocReader/800643/14796
http://memoria.bn.br/DocReader/800643/14768
http://memoria.bn.br/DocReader/245038/16315
http://memoria.bn.br/DocReader/178691_04/3060
http://memoria.bn.br/DocReader/103730_04/18766
http://memoria.bn.br/DocReader/706736/5947
http://memoria.bn.br/DocReader/800643/10922
http://memoria.bn.br/DocReader/344905/3710
http://memoria.bn.br/DocReader/120774/756
http://memoria.bn.br/DocReader/103349x/1
http://memoria.bn.br/DocReader/103349x/15
http://memoria.bn.br/DocReader/818771/79
http://memoria.bn.br/DocReader/720011/42296
http://memoria.bn.br/DocReader/706736/5755
http://memoria.bn.br/DocReader/851370/16
http://memoria.bn.br/DocReader/849243/418
http://memoria.bn.br/DocReader/767085/146
http://memoria.bn.br/DocReader/767034/906
http://memoria.bn.br/DocReader/223085/7552
http://memoria.bn.br/DocReader/170054_01/6621
http://memoria.bn.br/DocReader/138622/2427
http://memoria.bn.br/DocReader/103349/34
http://memoria.bn.br/DocReader/259063/3286
http://memoria.bn.br/DocReader/259063/3318
http://memoria.bn.br/DocReader/083712/1240
http://memoria.bn.br/DocReader/083712/1282
http://memoria.bn.br/DocReader/083712/1237
http://memoria.bn.br/DocReader/111988/23
http://memoria.bn.br/DocReader/111988/100
http://memoria.bn.br/DocReader/215554/22361
http://memoria.bn.br/DocReader/025909_01/9706
http://memoria.bn.br/DocReader/259764/3701
http://memoria.bn.br/DocReader/028002/10270
http://memoria.bn.br/DocReader/089842_03/26459
http://memoria.bn.br/DocReader/705110/97489
http://memoria.bn.br/DocReader/348970_02/17698
http://memoria.bn.br/DocReader/178691_04/7020
http://memoria.bn.br/DocReader/800643/14782

http://folhanova.com.br/nina-sanzi/
file:///D:/Downloads/2016_CarlaFranciniHidalgoTerci.pdf