Pesquisar este blog

quarta-feira, 26 de agosto de 2020

Manoel Durães



Nome real: Manoel Durães

Créditos: Manoel Durães, Manuel Duraes, Manuel Durães, Manoel Duraes

Atividades: Ator, radioator, diretor, radialista, locutor, produtor e apresentador

Áreas: Teatro, cinema e rádio

Nascimento: 08/12/1887, Recife/PE

Óbito: 04/01/1969, São Paulo/SP

Causa óbito: Complicações pós-cirúrgicas

Relacionamentos: Era casado com a atriz Edith de Moraes (1932-1969).

Nota: Estava aposentado. Formado em Teatro. Filho de Arsênio Joaquim Durães e de Amélia Durães. Atuou como empresário teatral na "Companhia Brasileira de Comédias Dulcina de Moraes - Manoel Durães" (1932-1933) e na "Cia. Manoel Durães" (1933-1934). Desde 24/12/1968, estava internado no "Hospital Sírio-Libanês", convalescendo de uma cirurgia.

Carreira: 1906-1967

Alguns trabalhos:

1906- Companhia de Teatro José Viana (Teatro)
1919 - Barão das Crioulas (Teatro) - Fazendeiro Serapião
1920 - A Menina das Rosas (Teatro) - Conde de Carras de Carrascuellos
1920 - A Ceia dos Cardeais (Teatro)
1920 - Flor Tapuya (Teatro) - Meu Nêgo
1920 - Martyr do Calvário (Teatro) - Judas
1921 - Onde Canta o Sabiá (Teatro) - Justino
1921/1922 - Manhãs de Sol (Teatro) - Mestre Domingos
1926 - Acabou Tendo Sorte (Teatro)
1926 - Afinador de Pianos (Teatro)
1926 - Musa de Tango (Teatro)
1926 - O Home das Cinco Horas (Teatro) - Valentim Maravel
1927 - A Rosa de Outono (Teatro)
1927 - Cabeleireiro de Senhoras (Teatro)
1927 - O Café de Felisberto (Teatro)
1927 - O Leão da Estrela (Teatro)
1927 - Rio Salão (Teatro)
1928 - Longe dos Olhos (Teatro)
1928 - Milhões de Dólares (Teatro)
1928 - O Abade Constantino (Teatro)
1928 - O Conde Barão (Teatro)
1928 - O Grande Dia (Teatro)
1928 - Sinésio... O Que Escreve Livro! (Teatro)
1930 - Amor e Medo (Teatro)
1931 - Amigos do Peito (Teatro) - Fernandes
1931 - D. Yayá É Bahiana (Teatro)
1931 - Não Me Conte Esse Pedaço (Teatro) - Trancoso
1931 - O Tio de Corumbá (Teatro) - Tio Rodrigues
1931 - Priminho do Coração (Teatro)
1931 - Que Pirata! (Teatro)
1932 - A Nuvem (Teatro) - Produção
1932 - A Verdade ao Meio Dia (Teatro) - Atuação e Produção
1932 - A Vida É Um Sonho (Teatro) - Baptista, além da Produção
1932 - Complicando a Vida (Teatro) - Atuação e Produção
1932 - Minha Mulher É Minha Noiva (Teatro) - Sr. Le Hochet, além da Produção
1932 - Miss Dolly (Teatro) - Carlos de Moraes, além da Produção
1932 - O Amor Daqui a 50 Anos (Teatro) - Atuação e Produção
1932 - O Secretário de Sua Excia. (Teatro) - Atuação e Produção
1932 - Rosas de Todo o Ano (Teatro) - Atuação e Produção
1932 - Sorriso de Mulher (Teatro) - Atuação e Produção
1932 - Um Escândalo na Broadway (Teatro) - Atuação e Produção
1933 - A Mulher do Trem (Teatro)
1933 - O Ministro do Supremo (Teatro) - Ananias
1934 - Amor... (Teatro)
1934 - Ella e Eu (Teatro)
1934 - O Último Lord (Teatro) - Duque
1934 - Rádio Clube do Rio de Janeiro (Rádio) - Radioator
1934 - Rádio Tupi (Rádio) - Radioator
1936 - Bazar de Brinquedos (Teatro)
1936 - Mas Que Mulher! (Teatro)
1936 - Supplicio de Tantalo (Teatro)
1949 - O Segredo de uma Confissão (Cinema) - Padre Jeremias
1954/1955 - A Ceia dos Cardeais (Teatro)
1966/1967 - Manhãs de Sol (Teatro) - Mestre Domingos

5 comentários:

Unknown disse...

Éramos crianças felizes.
Saudade 🎁toda família reunida perto do radio!

Antonio Carlos de Ayres Costa disse...

Lembro com saudades deste grandioso Manoel Durães. No radio antes de começar o radio teatro o grande Manoel nos abrilhantava com uma mensagem que começava mais ou menos assim: "Meu amigo, minha amiga escuta esta mensagem deste seu amigo que só lhe quer o bem". Começava o teatro abrilhantado por Lais Diniz, Conchita de Moraes, Edithe Moraes (esposa do Manoel e irmã da maior artista teatral de todos os tempos no Brasil: Dulcina de Moraes)
Assisti no Teatro Colombo a apresentação da Paixão de Cristo interpretada pelo Manoel Durâes e sua equipe. Foi simplesmente maravilhosa.
Pena que o Brasil não cultive o passado, pois um país que não cultiva o passado não terá futuro.
Manoel Durães podemos afirmar foi um gênio no que fez. Saudades!!!

Unknown disse...

Obrigado por nos permitir reunir nossas memorias e honrar os nossos vultos,homens e mulheres que deixaram sua valorosa contribuição à nossa cultura e o nosso país. Para sempre Manuel Duraes.

MARIO GORDILHO disse...

Fonte:

https://leismunicipais.com.br/a/sp/s/sao-paulo/decreto/1972/1015/10143/decreto-n-10143-1972-dispoe-sobre-denominacao-de-logradouro-publico

MARIO GORDILHO disse...

Fonte:

http://memoria.bn.br/pdf/221961/per221961_1969_13309.pdf