Pesquisar este blog

terça-feira, 9 de junho de 2020

Virgínia de Noronha



Nome real: Virgínia Siciliani de Noronha

Créditos: Virgínia de Noronha, Virginia Noronha, Virgínia Noronha, ou Virginia de Noronha

Atividades: Cantora e atriz

Áreas: Cinema, rádio, teatro e TV

Nascimento: 192?, Coimbra - Portugal

Óbito: 11/02/1967, Rio de Janeiro/RJ

Causa óbito: Acidental (insuficiência renal aguda em decorrência de queimaduras)

Relacionamentos: Namorou com o jornalista José Roberto Félix (1966-1967). Era casada com José Roberto Félix (1967-1967).

Nota: Descendente de portugueses. Filha de Evaristo Ferreira de Noronha e de Eulália Siciliani de Noronha. Destacou-se como fadista. Ex-vedete do "Teatro de Revista". Atuou em Portugal e no Brasil. Chegou no Brasil em 1948. Também atuou como comerciante. Em 06/02/1967, segunda-feira de carnaval, foi vítima de um grave incidente na fila de entrada do "Baile de Gala" do Teatro Municipal, na Cinelândia, quando teve seu vestido de nylon incendiado, o que resultou em queimaduras de 1º , 2º e 3º, por 60% do seu corpo. No momento do acidente estava acompanhada do seu namorado José Roberto Félix. Em 10/02/1967, mesmo internada no Hospital Municipal Souza Aguiar, Virgínia casou-se no civil com seu namorado. No dia seguinte pela manhã, entrou em estado de coma, vindo a óbito horas depois. Foi sepultada no Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro/RJ.

Carreira: 1940-1967

Alguns trabalhos:

1950 - Mão Boba (Teatro)
1950/1951 - Quem Tá de Ronda É São Borja (Teatro)
1951 - Balança Mas Não Cai (Teatro)
1952 - Você É Que Feliz, Primo! (Teatro)
1954 - É Sopa no Mel  (Teatro)
1957 - O Espetáculo Continua (Teatro)
1960 - O Rio em Strip Tease (Teatro)
1962 - Só Vou de Mulher (Teatro)
1963 - Senhora Presidenta (Teatro)
1966/1967 - Dercy Espetacular TV Globo (Televisão)

3 comentários:

Zeca disse...

Não, eu não estou ficando doido. A vida inteira eu me lembrei de uma cantora portuguesa que fazia par com a Dercy, na Globo, nos idos de 1966. Dercy tinha um programa na Globo, em horário nobre, chamado Dercy de Verdade. Era um programa de variedades. Segundo a Dercy, o Boni a chamou para tentar alavancar a baixa audiência da Globo naquele horário. O programa foi um sucesso, acho que ia ao ar às sextas-feiras. Mas o que eu gostava no programa (eu tinha 6 anos) era do final: ela e Virgínia Noronha começavam a cantar fados, só que uma ridicularizando a outra, como se fosse um repente. Era muito engraçado, e era sempre o fechamento do programa. O programa saiu do ar e, logo em seguida, fiquei sabendo do falecimento da Virgínia, cujo vestido teria pegado fogo numa festa. O que mais me intrigou esses anos todos é que nunca mais nem a Globo, nem a Dercy, falaram sobre o assunto. Eu às vezes falava do assunto e as pessoas me olhavam como se eu estivesse inventando. Mas hoje, finalmente, consegui achar a prova de que a Virgínia Noronha de fato existiu.

Unknown disse...

Ela existiu sim e tinha família além de dizerem que não sabia da família eram tempos em que não havia tanta tecnologia.... Se fosse hoje era tudo bem diferente tenho a certeza para quem diz nos jornais que ela não tinha família :ela era minha tia avó, irmã do meu avô Augusto Ferreira de Noronha, filha de Eulália chacón Cecília I com Evaristo Ferreira de Noronha e o seu avô (meu tretavô) Pompeu Ferraz de Noronha

MARIO GORDILHO disse...

Fonte:

http://memoria.bn.br/pdf/089842/per089842_1967_22655.pdf